Português Inglês Persa
Hoje é Quarta-Feira, 10 de Agosto de 2022
Iraque pede aumento das importações de gás iraniano


Iraque pede aumento das importações de gás iraniano

O Ministério da Eletricidade iraquiano anunciou que, após a liquidação das dívidas de energia do país com o Irã, Bagdá agora está consultando para aumentar as importações de gás da República Islâmica.



O porta-voz do Ministério da Eletricidade do Iraque, Ahmed Mousa, disse a fontes da mídia que o Iraque importa atualmente 40 milhões de metros cúbicos de gás iraniano por dia, mas o país precisa receber de 50 a 55 milhões de metros cúbicos de gás por dia para atender às suas necessidades de eletricidade.

“O Ministério da Eletricidade está tentando aumentar sua produção diária para 24.000 MW, e isso depende de aumentar as exportações de gás do Irã de 40 milhões de metros cúbicos para 50 a 55 milhões de metros cúbicos por dia”, acrescentou Mousa.

O ministro da Eletricidade do Iraque, Adel Karim, disse recentemente em uma entrevista coletiva em Karbala que o Irã concordou em exportar 50 milhões de metros cúbicos de gás para o Iraque por dia durante quatro meses, a partir do verão.

"O Iraque importará entre 10 e 20 milhões de metros cúbicos de gás por dia do Irã no inverno", acrescentou.

O Iraque depende do gás iraniano para operar usinas de energia elétrica. Mais cedo, Karim havia anunciado que o Iraque precisa de gás iraniano por 5 a 10 anos, enquanto confirma o acordo do ministério com o lado iraniano para fornecer ao país 50 milhões de metros cúbicos de gás por dia.

O Irã anunciou na semana passada que o Iraque liquidou suas dívidas de energia ao país. O Iraque supostamente devia ao Irã cerca de US$ 7 bilhões por importações anteriores de gás do país.

O Iraque fornece mais de um terço de suas necessidades de energia por meio de importações de eletricidade e gás da República Islâmica do Irã.

O pagamento das dívidas do Iraque ao Irã ocorreu em um momento em que as sanções unilaterais dos EUA contra o Irã ainda estão em vigor. Esta pode ser a razão pela qual alguns analistas sublinharam a necessidade de a Coreia do Sul seguir os passos do Iraque.