Português Inglês Persa
Hoje é Domingo, 15 de Dezembro de 2019
Brasil defendeu comércio aberto em viagem ao Japão


Brasil defendeu comércio aberto em viagem ao Japão



Durante dois dias de cúpula do G20 em Osaka, no Japão, o presidente Jair Bolsonaro participou de reuniões com as 19 principais economias do mundo e a União Europeia. Também houve encontro informal com líderes do Brics e bilaterais.
“Vários contatos bilaterais, formais e ou informais foram realizados pelo senhor presidente da República que se colocou à disposição desses outros líderes para mostrar o país que ele dirige; a sua capacidade de liderar esse país na busca de um comércio aberto, de um relacionamento multilateral e bilateral e, principalmente, como um ponto de recepção de investimento internacional", afirmou o porta-voz da Presidência da República, general Rêgo Barros.
Em Osaka, o presidente se encontrou com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, com o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien-Loong, com o presidente dos EUA, Donald Trump, com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, entre outras autoridades. Também houve encontro informal com os presidentes da França, Emmanuel Macri, e da Alemanha, Angela Merkel.
Acordo Mercosul e União Europeia
As tratativas, segundo o porta-voz, foram iniciadas em 1999, interrompidas em 2004 e relançadas em 2010: "Compreenderam temas tanto tarifários quanto de natureza regulatória, como serviços, compras governamentais, facilitação de comércio, barreiras técnicas, medidas sanitárias e fitossanitárias e propriedade intelectual. O acordo propiciará um incremento de competitividade da economia brasileira ao garantir, para os produtores nacionais, acesso a insumos de elevado teor tecnológico e com preços mais baixos", explicou.
Segundo o Ministério da Economia, o acordo representará um aumento na ordem de 125 bilhões de dólares no período de 15 anos, se consideradas a redução das barreiras não tarifárias e o incremento esperado na produtividade total dos fatores de produção, conforme o general Rêgo Barros relatou.
"Com a vigência do acordo, produtos agrícolas de grande interesse do Brasil terão suas tarifas eliminadas, como suco de laranja, frutas e café solúvel. Os exportadores brasileiros ampliarão o acesso, por meio de quotas, para carnes, açúcar e etanol, entre outros. As empresas brasileiras serão beneficiadas com a eliminação de tarifas na exportação de 100% dos produtos industriais", exemplificou.
O acordo foi comemorado pelo governo como uma meta atingida, mesmo o presidente estando no contexto do G20: "Nós entendemos como tendo sido o objetivo principal atingido pelo governo do presidente Jair Bolsonaro numa construção já de alguns anos, mas que se firmou a partir da sua orientação de que o nosso país tivesse a possibilidade de estabelecer um comércio efetivamente aberto, liberal, com troca comercial, com troca de informações no campo da ciência e da tecnologia e, claramente, isto reforçou os laços de confiança entre a União Europeia e o Mercosul", completou.

Briefing do Porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Foto: José Dias/PR
www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto