Português Inglês Persa
Hoje é Terça-Feira, 11 de Dezembro de 2018
Em Davos, Meirelles faz previsão otimista para economia


Em Davos, Meirelles faz previsão otimista para economia

Ministro da Fazenda diz que crescimento do PIB pode ultrapassar os 3% previstos pelo governo para 2018. Questionado sobre eleições, Meirelles diz que investidores pedem constantemente sua candidatura à Presidência.



Henrique Meirelles esteve em Davos para participar do Fórum Econômico Mundial
Em Davos, na Suíça, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fez previsões otimistas para a economia brasileira. Meirelles afirmou que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro poderá superar os 3% previstos pelo governo para 2018.
"Estamos em uma situação em que se consolidou a trajetória de recuperação, de crescimento do Brasil", disse o ministro em entrevista, após participar de uma palestra. "O FMI sempre é mais conservador, como deve ser, normal. Mas, evidentemente, os analistas brasileiros têm mais informação a respeito. Acredito que o crescimento [do PIB] vai estar mais próximo de 3% ou até superar os 3%", acrescentou.
A previsão de Meirelles está acima da divulgada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). A instituição estima que o crescimento no país deve chegar a 1,9%, em 2018. Já o mercado financeiro prevê um crescimento de 2,7%.
Em Davos no Fórum Econômico Mundial, o ministro destacou ainda o crescente interesse de estrangeiros em investir no Brasil. "É normal que, em período eleitoral, muitos [investidores] passem a ter um pouco mais de cautela, aguardando o desenrolar dos acontecimentos. Mas o interesse é muito grande. O investimento direto no Brasil é grande e tende a crescer", ressaltou.
Meirelles defendeu ainda a privatização da Eletrobras, cuja proposta foi encaminha pelo governo ao Congresso, e afirmou que a administração de Michel Temer vai vencer a batalha para aprovar a venda da estatal.
Temer chegou a Davos na quarta-feira e fez um discurso no Fórum Econômico Mundial.
Segundo os organizadores do evento, a edição de 2018 tem a participação recorde de chefes de Estado e de representantes de organizações internacionais, além de lideranças das áreas de negócios, sociedade civil, mundo acadêmico, artes e mídia.
http://www.dw.com