Português Inglês Persa
Hoje é Sábado, 21 de Julho de 2018
Embraer e Marcopolo buscam mercados iranianos


Embraer e Marcopolo buscam mercados iranianos

As empresas brasileiras Embraer SA e Marcopolo SA estão procurando fechar negócios multibilionários para vender aviões e ônibus para o Irã.



A fábrica de aviões está em negociações avançadas para vender pelo menos 20 jatos E195 com um preço total de mais de US $ 1 bilhão, enquanto a fabricante de ônibus está em negociações para fornecer parte das 27.000 unidades para Teerã, de acordo com Mahdi Rounagh, um funcionário do Ministério das Relações Exteriores do Irã e até recentemente o vice-embaixador em Brasília, informou a Bloomberg.
O problema é que os bancos brasileiros estão relutantes em lidar com o Irã por medo de sanções dos EUA, mesmo depois que Washington tenha levantado as restrições sobre os bancos não-americanos. Sua preocupação é que seus ativos e subsidiárias norte-americanas poderiam classificá-los como bancos norte-americanos, de acordo com dois executivos do banco em Brasília. Empresas e governo dizem que o Brasil deve se esforçar mais para encontrar alternativas, como o uso de bancos europeus menores que não operam nos EUA.
"Temos estado em contato com vários bancos para explicar que é possível encontrar soluções que beneficiem não só as empresas brasileiras, mas os próprios bancos", Rodrigo de Azeredo Santos, principal diplomata do Brasil para o comércio, disse em uma entrevista. Ele não revelou o nome dos bancos porque as discussões não são públicas. "Estamos falando de grandes contratos."
Secretário de Estado dos EUA John Kerry disse em declarações antes da reunião com o ministro do Exterior iraniano, Mohammad Javad Zarif, em abril, "Nós não temos nenhuma objeção e nós não ficaremos no caminho dos bancos estrangeiros de se envolverem com bancos iranianos e empresas, obviamente, desde que esses bancos e empresas não estejam na nossa lista de sanções por razões não-nucleares ".
A Embaixada dos EUA em Brasília não respondeu aos repetidos pedidos de comentários sobre sanções ao Irã e suas implicações sobre acordos comerciais brasileiras.
A maioria das sanções no domínio nuclear começou a ser facilitado no ano passado sob um acordo histórico com grandes potências.


Exportações competitivas

Fora do Brasil o Grupo PSA concordou em princípio com duas “joint-ventures” para montar carros no Irã após a retirada do país em 2012. O ministro da Indústria do Irã Mohammadreza Nematzadeh disse em junho que espera assinar contratos com a montadora alemã em breve.
"É claro que temos todo o interesse em promover o comércio com o Irã, é um mercado atraente", disse o chanceler brasileiro, José Serra Bloomberg à margem de um evento em Nova Iorque, em Setembro. "Estamos todos trabalhando duro para isso."
Embraer foi cortejar transportadoras as iranianas. No final de agosto, convidou 200 empresários iranianos e políticos para mostrar um de seus jatos no aeroporto de Teerã, de acordo com um comunicado da empresa. O ministro da Economia do Irã, Ali Tayyebnia tem programado para chefiar uma delegação empresarial em visita ao Brasil em novembro, de acordo com ambas as chancelarias.
"A Embraer está empenhada em desenvolver relacionamentos bem sucedidos com as companhias aéreas iranianas", disse a empresa no e-mail. A empresa também está buscando uma licença de exportação a partir de Washington para vender ao Irã seus jatos, que contêm componentes fabricados nos Estados Unidos.
Boeing e Airbus no mês passado obtivem tais licenças para renovar a frota envelhecida de aviões do Irã. Airbus disse em um e-mail disse que espera começar a entregar este ano e que o financiamento do negócio é confidencial.
Um executivo da Marcopolo disse ainda há questões sobre como o Irã poderia pagar empresas brasileiras. "Há obstáculos financeiros sobre cartas de crédito", disse Ricardo Portolan, gerente de exportação da empresa.
Para manter-se com os seus concorrentes, o Brasil precisa ser mais criativo em encontrar alternativas de financiamento, disse o senador Armando Monteiro, que chefiou uma delegação empresarial a Teerã no ano passado, quando ele era ministro do Comércio. "Nós poderíamos usar o petróleo como uma moeda ou ser pago por meio de investimentos em refinarias no Irã, por exemplo", disse ele.
Os bancos brasileiros têm estado em contato com as autoridades do Tesouro dos Estados Unidos e estão explorando maneiras de configurar as operações triangulares através dos bancos europeus menores, de acordo com Azeredo.