Português Inglês Persa
Hoje é Segunda-Feira, 13 de Julho de 2020
Irã encabeça países da OPEP no primeiro trimestre de 2017


Irã encabeça países da OPEP no primeiro trimestre de 2017

A receita petrolífera do Irã aumentou cerca de US $ 15 milhões por dia (m / pd) no primeiro trimestre de 2017, em comparação com o último trimestre de 2016, informou a Bloomberg citando a Agência Internacional de Energia (AIE).



A AIE divulgou recentemente dados para mudanças nas receitas de petróleo do quarto trimestre de 2016 para o primeiro trimestre de 2017, de acordo com o qual o Irã superou os países da Opep, como Arábia Saudita e Iraque em termos de mudanças positivas nas receitas do petróleo.
De acordo com a Bloomberg, embora à primeira vista, parece que os cortes da OPEP não funcionaram, os estoques globais de petróleo permanecem bem acima dos níveis normais. "Mas a política fez a diferença onde realmente conta: processar os cofres dos ministérios das Finanças de Bagdá para Caracas".
A Agência Internacional de Energia, que assessora os países ricos na política de petróleo, disse no início deste mês que a OPEP tem uma "motivação financeira para estender os cortes na oferta". A AIE calcula que o cartel ganhou quase US $ 75 milhões por dia no primeiro trimestre deste ano do que no último trimestre de 2016, apesar de coletivamente cortar a produção para 31,9 milhões de barris por dia de 33,3 milhões. Consultor IHS Markit disse que a Rússia, o maior país fora do cartel para participar dos cortes, também ganhou mais.
A OPEP e seus aliados acreditam que podem continuar ganhando mais enquanto bombearem menos. Mesmo os países que questionam se uma extensão pode reequilibrar o mercado e derrubar estoques elevados não se opõem a uma extensão. Enquanto os ministros de petróleo têm um senso de derrota em sua batalha contra estoques elevados, os ministros das Finanças estão felizes, disse um delegado da OPEP.
Os membros da Opep se reunirão hoje para discutir se devem estender os cortes de produção acordados em dezembro do ano passado entre a OPEP e 11 países não-membros, incluindo a Rússia.
Muitos analistas do mercado de petróleo acreditam que a OPEP vai estender os cortes por mais nove meses.