Português Inglês Persa
Hoje é Quarta-Feira, 23 de Maio de 2018
VW retorna ao Irã após uma ausência de 17 anos


VW retorna ao Irã após uma ausência de 17 anos

A Volkswagen começará a exportar carros para o Irã no próximo mês, retornando ao mercado iraniano após mais de 17 anos em uma mudança que pode ajudar o fabricante de automóveis alemão a reduzir sua dependência de mercados como a China e o Brasil.



A Volkswagen (VW) assinou um acordo com o Mammut Khodro do Irã, que importará os modelos da marca VW Tiguan e Passat através de oito concessionárias, com foco na maior área de Teerã, informou a VW na terça-feira, de acordo com a Reuters.
O maior grupo automotivo da Europa está tentando aproveitar os novos mercados estrangeiros, ao mesmo tempo que impulsiona uma mudança estratégica para carros elétricos e novos serviços de mobilidade.
Entregas de grupo para a China, o maior mercado da VW, responsável por mais de um terço de suas vendas, caiu 3,3% entre janeiro e maio para 1,51 milhões de carros. As vendas no Brasil caíram 1,9 % para 116.600 carros.
A VW está tentando acompanhar os rivais franceses PSA Peugeot Citroën e Renault, que estão fortes no Irã desde o 2015 do país lidando com as potências mundiais que viram sanções internacionais levantadas em troca de modificações nas atividades nucleares de Teerã.
O Grupo PSA foi o primeiro fabricante de automóveis a voltar a entrar com um acordo anunciado no ano passado para atualizar sua fábrica Peugeot perto de Teerã e começar a construir modelos Citroen no país. Alguns meses depois, a Renault SA afirmou que criaria uma nova fábrica com capacidade para construir 150 mil automóveis por ano.
O crescimento da produção de automóveis no Irã será de 11% até 2021, afirmou a pesquisa do BMI da Fitch Group em abril. O retorno dos fabricantes de automóveis europeus ao mercado do Irã impulsionará o setor.
"Estamos reforçando mais uma vez nossa presença internacional". Anders Sundt Jensen, gerente de projeto da VW para o Irã, disse em uma declaração por e-mail.
O VW, baseado em Wolfsburg, que vendeu o icônico Beetle no Irã na década de 1950 e seu modelo de subcompactos Gol na década de 1990, deixou o mercado em 2000.
As vendas anuais no mercado iraniano são elevadas para cerca de três milhões de carros a médio e longo prazo, disse a VW, citando as estimativas do governo.
"Ao retornar ao Irã, a marca Volkswagen está preenchendo outro ponto em branco no mapa global do automóvel", disse Sundt Jensen no comunicado.