Português Inglês Persa
Hoje é Quarta-Feira, 17 de Outubro de 2018
Lancis de atividade física regular risco de depressão


Lancis de atividade física regular risco de depressão



Os pesquisadores sugerem que as pessoas que fazem atividade física regular pode beneficiar menos sintomas depressivos.

Fazer exercício físico três vezes por semana diminui as chances de ser deprimido por cerca de 16%, diz o estudo realizado pelos pesquisadores da University College London.

Eles ilustrada uma relação bidirecional entre depressão e atividade física, indicando menor risco de depressão para as pessoas com maior atividade e mais sintomas depressivos para aqueles que são menos ativas.

A equipe alcançou os resultados depois de analisar 11.135 pessoas nascidas em 1958, até a idade de 50 anos.

Pesquisadores do estudo monitorado sintomas e níveis de atividade física depressivos dos participantes em intervalos regulares na vida adulta.

Eles descobriram que cada sessão de atividade adicional por semana reduziu as probabilidades de depressão em 6%, de acordo com o artigo publicado no JAMA Psychiatry.

Para avaliar os sintomas depressivos, os pesquisadores analisaram as respostas dos participantes para o Inventário de mal-estar, um questionário para avaliar o estado emocional em idades 23, 33, 42 e 50

"Assumindo que a associação é causal, atividade física de lazer tem um efeito protetor contra a depressão", disse o líder do estudo, Dr. Snehal Pinto Pereira, do Instituto UCL de Saúde Infantil.

"Se um adulto entre os vinte e os quarenta anos que não é fisicamente ativo tornou-se ativo 3 vezes por semana, eles iriam reduzir o risco de depressão em cerca de 16%", Pinto Pereira reiterou.

"Este estudo longitudinal grande sugere que o exercício tem um papel importante a desempenhar para a saúde mental."

Os cientistas já haviam encontrado que várias formas de treinamento físico em vinte anos poderia preservar e proteger cérebro habilidade de memória na meia-idade.

Um estudo anterior realizado no os pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia tinha conseguido resultados semelhantes.

O estudo indicou que a actividade física pode induzir alterações no músculo esquelético que levou para remover o sangue de uma substância que se acumulam durante o stress, e através deste modo prejudicar o cérebro.