Português Inglês Persa
Hoje é Sexta-Feira, 14 de Dezembro de 2018
Semana Mundial do Aleitamento Materno 2018 (SMAM) - 1 a 7 de agosto


Semana Mundial do Aleitamento Materno 2018 (SMAM) - 1 a 7 de agosto

A Semana Mundial de Aleitamento Materno faz parte de uma história mundial focada na Sobrevivência, Proteção e Desenvolvimento da Criança.



De 1 a 7 de agosto é comemorado em mais de 170 países a Semana Mundial de Aleitamento Materno, uma semana destinada a promover a amamentação e para melhorar a saúde dos bebês em todo o mundo. A OPAS/OMS recomenda o aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida e o aleitamento complementar por outros alimentos até pelo menos os dois anos de idade. Nesta Semana Mundial se comemora a assinatura da Declaração de Innocenti formulada por especialistas da OMS e do UNICEF em agosto de 1990 para proteger, promover e apoiar o aleitamento materno.
“Aleitamento materno: a base da vida” é o tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) deste ano definido pela Aliança Mundial para Ação em Amamentação (WABA, sigla em inglês). De acordo com a rede internacional, “em um mundo repleto de desigualdades, crises e pobreza, a amamentação é o alicerce da boa saúde ao longo da vida para crianças e mães”. A ação acontecerá entre os dias 1º e 8 de agosto.
“O tema resume, em uma frase, a importância vital da amamentação. Se não temos uma base sólida em qualquer “construção”, o que vem depois fica ameaçado, pode ruir”, comenta a presidente do Departamento Científico de Aleitamento Materno, dra. Elsa Giugliani. Para ela, uma base sólida em saúde “inclui a melhor alimentação possível para a criança, que é o leite materno, proporcionando uma melhor saúde física, mental e emocional da criança, e, assim, contribuindo para uma estrutura inicial (base) fortalecida”.
NUTRIÇÃO – Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas são informar sobre o modo como a amamentação está ligada à boa nutrição, segurança alimentar e redução da pobreza; vincular a amamentação dentro da agenda de nutrição, segurança alimentar e diminuição da pobreza; envolver-se com indivíduos/organizações que trabalham nessas questões; e motivar as ações para promover a amamentação como parte das estratégias de nutrição, segurança alimentar e redução das desigualdades.
“O intuito é motivar ações para promover a amamentação como parte das estratégias de nutrição, segurança alimentar e redução das desigualdades”, destaca a dra. Elsa. Segundo a Waba, “todos temos um papel importante a desempenhar para garantir o crescimento, desenvolvimento e sobrevivência de todas as crianças ao redor do mundo”. A presidente do DC destaca ainda que os pediatras exercem papel privilegiado devido à proximidade que têm com as famílias e à influência que têm sobre elas.
Para ela, a contribuição maior que o pediatra pode oferecer à campanha deste ano, e em todos os momentos, é incentivar o aleitamento materno: desde o pré-natal, na sala de parto, na primeira hora de vida, na maternidade, e nas outras frases. Além disso, deve oferecer orientações, apoio e não prescrever fórmulas desnecessariamente, e, durante todo o período de amamentação, apoiar e dar assistência competente às mães e suas famílias.
“Especificamente quanto ao tema da SMAM, o pediatra pode auxiliar na sua divulgação, colaborando assim para aumentar a conscientização da importância da amamentação no presente e no futuro da criança e na redução das desigualdades”, finaliza.
Segundo dados da organização da campanha, 50% das mulheres no mundo trabalham em condições vulneráveis, com baixos salários e longa jornada. Por isso, o objetivo da luta vai além da licença-maternidade. É preciso garantir que essas profissionais continuem sendo remuneradas durante esse período de afastamento, que tenham estabilidade, que possam fazer pausas para ordenhar ao longo da jornada e que disponham de um ambiente tranquilo e reservado para fazer isso.
No mundo todo, a cada ano, mais de 10 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem de doenças que podem ser prevenidas e tratadas. Há várias intervenções preventivas e terapêuticas eficazes e de baixo custo que podem ajudar a reduzir o número de mortes entre crianças menores de cinco anos. A principal delas é o aleitamento materno até os seis primeiros meses de vida do bebê, no mínimo. Em 2018 celebra-se o 26º aniversário da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) que busca desencadear ações conjuntas em prol da amamentação. A proteção, promoção e apoio da amamentação são os três pilares fundamentais para aumentar e consolidar as taxas de aleitamento materno, tanto em países em desenvolvimento como em países desenvolvidos. A SMAM é o momento mais importante no ano para a promoção da amamentação em todos os meios de comunicação que tenhamos acesso.
Hoje, os dados científicos mostram que a mudança na composição do leite materno desde o nascimento do bebê até o final da etapa de alimentação está de acordo com as necessidades alimentarias e imunologias do bebê. Já que nos primeiros dias após o nascimento da criança, o primeiro leite matriz produz é o colostro que, dada a combinação de itens tais como hidratos de carbono, lépidos, proteínas, cálcio, fósforo, vitaminas, células, imunoglobulinas, lactoferrina, cloro de sódio, albumina do soro e outras substâncias tornam o alimento ideal para a criança, de fato, proporciona imunidade à criança durante o período mais sensível e vulnerável das suas vidas.
Embora não tenham sido muitos anos que se prestam a atenção aos direitos e os problemas das crianças, em documentos como a Declaração dos Direitos Humanos e da Convenção sobre os Direitos da Criança, a religião divina do Islã durante muitos séculos se abordou os direitos de crianças e atribuiu deveres especiais a este respeito aos pais. Deus, através de sua sabedoria e grandeza, designou o leite materno como a nutrição mais completa para as crianças. A este respeito, uma parte do versículo 233 da Surata a “Vaca”, no Alcorão sagrado, Deus diz: "As mães devem amamentar seus filhos durante dois anos inteiros, se desejam um aleitamento materno completo". O Profeta do Islã (P.E.C.E) sobre a importância da nutrição do bebê pela amamentação advertiu: "Não há melhor leite, do que leite materno para a criança."
A amamentação tem muitos benefícios para a mãe e o bebê. Quando a mãe amamenta seu filho, ele sente prazer e satisfação e boa consciência, abraçando seu bebê para amamentar. Então essa troca e intercambio cria uma profunda emoção entre mãe e filho. O leite materno é o alimento perfeito e pronto sempre e disponível em todos os lugares e a sua composição muda o crescimento do bebê. Este leite é o único sob o aspecto da digestão alimentaria, estar livre de germes e infecções e não causa doenças alérgicas ou outras enfermidades. Sua composição contém proteínas, gorduras, minerais e vitaminas e temperatura é adequado para o corpo humano e controle a ansiedade bebê. Porque o bebê durante o desenvolvimento fetal -9 meses de gravidez- familiarizou-se com o organismo interno e escutando o pulso de coração de sua mãe, irritar-se com a falta de comida, falta de sono ou doença, recebendo o peito da sua mão e ouvir o ritmo do seu coração, ele rapidamente tranquiliza. Portanto, o coração de uma mãe é o melhor e a mais bela música suave para o bebê. Segundo os psicólogos, a uma distância de 30 cm, se mantem o melhor intercambio emocional entre mãe e filho que dá tranquilidade ao bebé e satisfação a sua mãe.
O importante é que o sucesso da mãe em alimentar um bebê e conseguir leite suficiente está diretamente relacionado com o apoio de seu marido e pai de seu filho. Em meio de uma vida tensa de hoje, é o dever de o pai fornecer garantias à mãe durante a lactação. As mães geralmente não acreditam no leire suplementar, mas muitas vezes sob a condição de stress, são forçados a recorrer a leite de fórmula. Tranquilidade e confiança em si, são fatores que melhoram a amamentação e incentivam a mãe a dar a comida saudável para o seu bebé.