Português Inglês Persa
Hoje é Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2017
Venha conosco ao Irã - 54 - norte do Irã


Venha conosco ao Irã - 54 - norte do Irã

Cumprimentamos a todos os interessados na série Venha conosco ao Irã. Convidamos a todos vocês a nos acompanhar em mais um post desta série.



O Irã é conhecido por ser uma terra que contêm diferentes atrações naturais e pelo seu clima variado, herdeiro de múltiplas obras históricas pertencentes a diferentes épocas. Para quem pensar em viajar para qualquer parte deste amplo território poderá observar várias obras e monumentos, pertencentes à época pré e pos-islâmica, e ainda poderá desfrutar de uma ampla variedade de famosas obras e monumentos de artes.
No programa de hoje visitaremos a cidade do norte do Irã. As planícies do mar Caspio com mais de 600 quilômetros de longitude, nas cordilheiras montanhosas com paisagens maravilhosas onde se encontra as cidades de povos hospitaleiros carinhosos e muito acolhedores. E também faz parte de uma das mais importantes regiões turísticas e de diversão do Irã. A região verde e apaixonante no norte do Irã na costa do mar Caspio, está incluído às províncias de Guilan, Mazandaran e Golestan . Desta vez, iremos juntos à província de Guilan, ao lado onde se encontram as altas montanhas de Albroz e, do outro, a costa do mar Caspio. Ao longo do tempo sua história ficou muito conhecida, por suas batalhas e lutas de Mirza Kuchak-Jan-e Yangali, que formaram um dos capítulos importantíssimos na história do Irã.
A província de Guilan com uma superfície de 147,000 quilômetros quadrados ao norte do Irã encontra-se à margem do sudeste do mar Cáspio. Guilan delimita se ao norte com o mar Cáspio e com a republica de Azerbaijão, no leste com a província de Ardebil, no sul com as províncias de Zanjan, Qazwin e, finalmente, ao leste delimita se com a província de Mazandaran . A montanha da cordilheira de Alborz que em média mede 3 mil metros de altura, se parece mais com um muro no lado oeste e no sul de Guilan. Esta província está interligada por uma via subterrânea com o planalto do Irã unicamente através do vale de Manjil. Ademas, também está ligada com a província de Mazandaran através da cidade de Chabok-sar ,e a Republica de Azerbaijão através da Cidade de Astara . O clima de Guilan é agradável e semi-árido devido ao mediterrâneo que também tem muito a ver com o clima montanhoso de Alborz com influência do mar Cáspio.
O clima nos arredores do lado norte das montanhas de Alborz e ao lado oriental das montanhas de Talesh, faz muito frio e o ar é praticamente úmido. Esta região é a parte do Irã que mais chove, por isso também é a mais úmida em todo o território persa.
A acumulação de vapor da água do mar Caspio e, as cordilheiras de Alborz e Talesh não deixam disparar as nuvens, gerando assim muitas chuvas que fazem com que o clima seja agradável nesta região.
As correntes atmosféricas no norte provenientes da Sibéria e também as nuvens mediterrâneas têm aumentado demasiadamente as chuvas na região. Cabe mencionar que a temperatura sempre se encontra normalizadas nas encostas de Guilan.
A planície de Guilan é uma das regiões mais férteis do Irã, sobretudo, para cultivar produtos agrícolas, tais como o arroz, o chá e o fumo que ocupa um lugar muito especial entre outras províncias do Irã.
A cordilheira de Alborz e Talesh vem rodeada desde o sul e o oeste da planície de Guilan. E a maior parte das montanhas estão cobertas de árvores e bosques. Os bosques de Guilan são uns dos recursos florestais mais importantes do Irã, já que fazem um papel significativo na economia do país.
Para conhecermos um pouco sobre o antecedente histórico a respeito de Guilan, estudaremos as recentes pesquisas dos arqueólogos. Ultimamente, mediante o descobrimento e sinais de obras que se desvendaram nas escavações da terra, nos mostraram um pouco de como era a civilização há milhares anos. Ainda assim o que os pesquisadores encontraram nos revela a história de milhares anos atrás, no entanto, este caminho nunca chegará ao fim, pois, devemos aceitar que não pode ser datada exatamente a história de Guilan.
Em todo caso, segundo os documentos e as obras descobertas pelos arqueólogos na costa do mar Cáspio, há milhares de anos na parte norte do Irã já existia vida.
Os pesquisadores e historiadores conhecidos como Ernest Hartsfield, Henry Field, Guirishman e Diakonov, segundo vários documentos, demonstraram que a 5 mil anos em Guilan e Mazandaran teria existido uma civilização muito avançada, do que em outras partes da região. E inclusive, alguns deles dizem que Guilan teve uma civilização a mais de 7 mil anos atrás . Outros acham que a civilização de Guilan tem influído em todas as épocas e que lhes afetou também.
Verdadeiramente é que, Guilan e grande parte da costa do mar Cáspio, Mazandaran e Gorgan, entre outros, teria existido uma civilização de mais de milhares de anos. As obras encontradas nas terras de Rahmat-abad, Talesh, Rodbar, Deilam, Amlash e outras partes de Guilan, também conclui a confirmação. Algumas das obras descobertas pertencem a dois mil anos antes do nascimento de Cristo .
O pesquisador australiano, Wiliam Galigian, em seu livro titulado “Os Medos e Persas” confirmou a opinião de outros pesquisadores a respeito, isto é, de que em algumas regiões do Cáspio há 3 mil anos já havia uma grande e esplêndida civilização, e de que o povo daquela época tinham muitos conhecimentos sobre a cultura e arte.
Galigian em seu livro fez referência aos objetos encontrados na colina de Marlik em Guilan e nas aldeias de Amlash e Deliaman , concluindo de que todos os objetos encontrados pertencem à época de quase 900 anos a. C., isto é, a mesma época, das encostas ao norte e ocidentais das montanhas de Alborz que foram sede de uma tribo inteligente e de artistas de longa data que influenciaram as civilizações da Mesopotânia . A iniciativa daquele povo livre e seus estilos estão refletidos nas embarcações de barro.